Arquivo da categoria: Uncategorized

Um tributo a Maria Pais Ribeiro – "A Ribeirinha"

O dia 26 de Março, data em que se completaram 1055 anos sobre a mais antiga referência documental conhecida de Vila do Conde, foi aproveitado para homenagear os melhores na Educação no município.

O Auditório Municipal acolheu um sarau cultural em que foi entregue o Prémio Escolar Municipal aos melhores alunos do ano lectivo 2006/2007.

Realizou-se também um espectáculo musical elaborado por professores em representação de todos os Agrupamentos e Escolas Secundárias do Concelho.

Serve para guardar e colocar no Portfólio, pois, que isto de fazer trabalho de estabelecimento na componente não lectiva em horas de trabalho nocturno e nas interrupções lectivas tem muitos pontos a dar.

Segue um tributo ao meu Agrupamento.

 

Advertisement

Leonard Cohen – I'm Your Man

If you want a lover
I’ll do anything you ask me to
And if you want another kind of love
I’ll wear a mask for you
If you want a partner
Take my hand
Or if you want to strike me down in anger
Here I stand
I’m your man
If you want a boxer
I will step into the ring for you
And if you want a doctor
I’ll examine every inch of you
If you want a driver
Climb inside
Or if you want to take me for a ride
You know you can
I’m your man

Ah, the moon’s too bright
The chain’s too tight
The beast won’t go to sleep
I’ve been running through these promises to you
That I made and I could not keep
Ah but a man never got a woman back
Not by begging on his knees
Or I’d crawl to you baby
And I’d fall at your feet
And I’d howl at your beauty
Like a dog in heat
And I’d claw at your heart
And I’d tear at your sheet
I’d say please, please
I’m your man

And if you’ve got to sleep
A moment on the road
I will steer for you
And if you want to work the street alone
I’ll disappear for you
If you want a father for your child
Or only want to walk with me a while
Across the sand
I’m your man

If you want a lover
I’ll do anything you ask me to
And if you want another kind of love
I’ll wear a mask for you

Leonard Cohen – First We Take Manhattan

 They sentenced me to twenty years of boredom
For trying to change the system from within
I’m coming now, I’m coming to reward them
First we take Manhattan, then we take Berlin
I’m guided by a signal in the heavens
I’m guided by this birthmark on my skin
I’m guided by the beauty of our weapons
First we take Manhattan, then we take Berlin

I’d really like to live beside you, baby
I love your body and your spirit and your clothes
But you see that line there moving through the station?
I told you, I told you, told you, I was one of those

Ah you loved me as a loser, but now you’re worried that I just might win
You know the way to stop me, but you don’t have the discipline
How many nights I prayed for this, to let my work begin
First we take Manhattan, then we take Berlin

I don’t like your fashion business mister
And I don’t like these drugs that keep you thin
I don’t like what happened to my sister
First we take Manhattan, then we take Berlin

I’d really like to live beside you, baby …

And I thank you for those items that you sent me
The monkey and the plywood violin
I practiced every night, now I’m ready
First we take Manhattan, then we take Berlin

I am guided

Ah remember me, I used to live for music
Remember me, I brought your groceries in
Well it’s Father’s Day and everybody’s wounded
First we take Manhattan, then we take Berlin

Alterações à proposta de "Autonomia, Gestão e Administração"

ME e Conselho das Escolas analisam concretização de medidas de políticaA equipa governativa da Educação reuniu com os membros do Conselho das Escolas para analisar condições de concretização de medidas de política, como o Estatuto do Aluno e a avaliação dos docentes.

A ministra, Maria de Lurdes Rodrigues, e os secretários de Estado, Jorge Pedreira e Valter Lemos, apreciaram com os presidentes dos conselhos executivos que integram este órgão consultivo do Ministério da Educação também outros temas, como as propostas de transferências de competências para as autarquias locais e as mudanças na gestão das escolas.

Neste último ponto, os governantes ouviram os conselheiros sobre a proposta que irá a Conselho de Ministros na próxima 5.ª feira.

Da reunião saiu o acolhimento da maior parte das sugestões apresentadas, designadamente a possibilidade de o Conselho Geral ser presidido por um professor, o aumento do prazo de duração dos mandatos de três para quatro anos, requisitos mais flexíveis na designação dos adjuntos do director e mais autonomia na forma de constituição e designação das estruturas intermédias, para além dos departamentos curriculares.

Entre as sugestões acolhidas encontra-se ainda a da alteração na composição do conselho pedagógico, criando uma comissão especializada com pais e alunos, mas com as competências técnicas reservadas aos docentes, a mudança da regra do regime de exclusividade dos directores, no sentido de lhes permitir a participação em organizações não governamentais e actividades de voluntariado, e a possibilidade de o mandato dos órgãos de gestão actuais ser prorrogado para facilitar a transição para o novo regime.

Sobre a avaliação, ficou patente durante o encontro a determinação das escolas e dos professores em a concretizar.

Neste sentido, as condições para a concretização da avaliação serão melhoradas, com as escolas a poderem evoluir ao seu próprio ritmo, mas com respeito pelo prazo final.

Desde sempre afirmei que a questão da Presidencia do Conselho Geral iria resultar na possibilidade de qualquer membro desse conselho poder presidir ao Órgão, com excepção dos alunos. Não me espanta em nada esta alteração.

No que respeita ao mandato do director passar a ter uma duração de 4 anos, considero uma coincidência muito grande que existam Eleições Legislativas e Autárquicas na mesma altura. Será uma coincidência inocente? Não me parece que assim seja, mas admito que sim. Não se tornará o cargo de Director um cargo político com tamanha semelhança?

Requisitos mais flexíveis para designação de adjuntos. o que é isso? O Director para ter uma “liderança forte” tem de ter mais de 100KG e os adjuntos podem ter entre 50 e 90KG? É isso?

A Ministra dizer que vai dar mais autonomia na forma de constituição e designação das estruturas intermédias, é irrelevante, porque dar mais autonomia do que aquilo que dá nessa área (zero), pode ser zero vírgula um.

Alterações à proposta de “Autonomia, Gestão e Administração”

ME e Conselho das Escolas analisam concretização de medidas de políticaA equipa governativa da Educação reuniu com os membros do Conselho das Escolas para analisar condições de concretização de medidas de política, como o Estatuto do Aluno e a avaliação dos docentes.

A ministra, Maria de Lurdes Rodrigues, e os secretários de Estado, Jorge Pedreira e Valter Lemos, apreciaram com os presidentes dos conselhos executivos que integram este órgão consultivo do Ministério da Educação também outros temas, como as propostas de transferências de competências para as autarquias locais e as mudanças na gestão das escolas.

Neste último ponto, os governantes ouviram os conselheiros sobre a proposta que irá a Conselho de Ministros na próxima 5.ª feira.

Da reunião saiu o acolhimento da maior parte das sugestões apresentadas, designadamente a possibilidade de o Conselho Geral ser presidido por um professor, o aumento do prazo de duração dos mandatos de três para quatro anos, requisitos mais flexíveis na designação dos adjuntos do director e mais autonomia na forma de constituição e designação das estruturas intermédias, para além dos departamentos curriculares.

Entre as sugestões acolhidas encontra-se ainda a da alteração na composição do conselho pedagógico, criando uma comissão especializada com pais e alunos, mas com as competências técnicas reservadas aos docentes, a mudança da regra do regime de exclusividade dos directores, no sentido de lhes permitir a participação em organizações não governamentais e actividades de voluntariado, e a possibilidade de o mandato dos órgãos de gestão actuais ser prorrogado para facilitar a transição para o novo regime.

Sobre a avaliação, ficou patente durante o encontro a determinação das escolas e dos professores em a concretizar.

Neste sentido, as condições para a concretização da avaliação serão melhoradas, com as escolas a poderem evoluir ao seu próprio ritmo, mas com respeito pelo prazo final.

Desde sempre afirmei que a questão da Presidencia do Conselho Geral iria resultar na possibilidade de qualquer membro desse conselho poder presidir ao Órgão, com excepção dos alunos. Não me espanta em nada esta alteração.

No que respeita ao mandato do director passar a ter uma duração de 4 anos, considero uma coincidência muito grande que existam Eleições Legislativas e Autárquicas na mesma altura. Será uma coincidência inocente? Não me parece que assim seja, mas admito que sim. Não se tornará o cargo de Director um cargo político com tamanha semelhança?

Requisitos mais flexíveis para designação de adjuntos. o que é isso? O Director para ter uma “liderança forte” tem de ter mais de 100KG e os adjuntos podem ter entre 50 e 90KG? É isso?

A Ministra dizer que vai dar mais autonomia na forma de constituição e designação das estruturas intermédias, é irrelevante, porque dar mais autonomia do que aquilo que dá nessa área (zero), pode ser zero vírgula um.

TAVIRA quer "adoptar" professores

O título não é meu, é mesmo do jornal.

O presidente da Câmara de Tavira prontificou-se para que a sua autarquia integre um projecto-piloto de gestão municipal de professores em escolas do ensino básico.

A pressinha que deu nestes autarcas, falou-se em transferência de competências para as autarquias e já estão eles prontinhos para “domar as feras”.

Em carta enviada à ministra da Educação Macário Correia oferece-se para acolher a gestão de pessoal docente “em experiências a encetar“, assumindo a “total disponibilidade” do município para “assumir integralmente essa responsabilidade“.

As cobaias seremos nós, neste caso.

Justifica que a mudança trará “coerência e qualidade de gestão“, devido ao “efeito de proximidade” entre a Câmara e as escolas do concelho.

Neste aspecto até dou alguma razão. Qualquer autarquia deve conseguir fazer um melhor trabalho que este incompetente Ministério da Educação.

Macário Correia reiterou a disponibilidade da sua autarquia num projecto-piloto a nível nacional, baseada no conhecimento que tem das escolas e na experiência de gestão municipal.

Digo eu, “ver um Macário apressado é o mesmo que lamber um monte de esterco“.

Correntes d'Escritas 2008

Arranca hoje, com o anúncio do vencedor do Prémio Literário Casino da Póvoa, a 9.ª edição do Correntes d’Escritas – Encontro de Escritores de Expressão Ibérica, que decorre, até ao próximo sábado, na Póvoa de Varzim.

Depois do mesquinhez política do dia de hoje, eis que surge algo que me faz pensar que o mundo afinal existe.

Liberto-me de tensões e dedico-me apenas e só apenas à cultura, esperando que amanhã o dia nasça mais limpo.

Correntes d’escritas 2008

Participantes nas Correntes

1.  Adolfo García Ortega (Espanha)

2.  Almeida Faria (Portugal)

3.  Amadeu Baptista (Portugal)

4.  Ana Paula Tavares (Angola)

5.  André Sant’Anna (Brasil)

6.  Aurelino Costa (Portugal)

8.  Carlos do Carmo (Portugal)

9.  Carlos Quiroga (Espanha/Galiza)

10. Carme Riera (Espanha/Catalunha)

11.  Cristina Norton (Argentina)

12.  Cristino Cortes (Portugal)

13.  Daniel Mordzinski (Argentina)

14.  Eduardo Halfon (Guatemala)

15.  Eduardo Mendoza (Espanha/Catalunha)

16.  Eugenia Almeida (Argentina)

17.  Filipa Leal (Portugal)

18.  Francisco José Viegas (Portugal)

19.  Ignacio del Valle (Espanha)

20.  Isabel da Nóbrega (Portugal)

21.  Ivo Machado (Portugal) 

22.  J.J. Armas Marcelo (Espanha)

23.  Janet Nuñez (Colômbia)

24.  João Paulo Cuenca (Brasil)

25.  Jorge Sousa Braga (Portugal)

26.  José Carlos de Vasconcelos (Portugal)

27.  José Eduardo Agualusa (Angola)

28.  José Emílio-Nelson (Portugal)

29.  José Manuel Vasconcelos (Portugal)

30.  José Manuel Saraiva (Portugal)

31.  José Norton (Portugal) 

32.  Juan Carlos Mestre (Espanha)

33.  Júlio Moreira (Portugal)

34.  Kiluanje Liberdade (Angola)

35.  Lêdo Ivo (Brasil)

36.  Leonardo Padura (Cuba)

37.  Lígia Walper (Brasil)

38.  Luís Machado (Portugal)

39.  Luís Serguilha (Portugal)

40.  Luiz Fagundes Duarte (Portugal)

41.  Manuel Rui (Angola)

42.  Manuela Azevedo (Portugal) 

43.  Marcelo Rebelo de Sousa (Portugal)

44.  Maria do Rosário Pedreira (Portugal)

45.  Maria Flor Pedroso (Portugal)

46.  Maria João Seixas (Portugal) 

47.  Maria Lúcia Lepecki (Brasil)

48.  Mário Pinheiro (Portugal)

49.  Mia Couto (Moçambique)

50.  Miguel Real (Portugal)

51.  Ondjaki (Angola)

52.  Onésimo Teotónio Almeida (Portugal)

53.  Oscar Málaga Gallegos (Peru)

54.  Paulina Chiziane (Moçambique)

55.  Pedro Teixeira Neves (Portugal)

56.  Pepetela (Angola)

57.  Rui Grácio (Portugal)

58.  Rui Zink (Portugal)

59.  Susana Fortes (Espanha)

60.  Tabajara Ruas (Brasil)

61.  Teresa Rita  Lopes (Portugal)

62.  Uberto Stabile (Espanha)

63.  valter hugo mãe (Portugal)

64.  Vergílio Alberto Vieira (Portugal)

65.  Vicente Martín Martín (Espanha)

66.  Waldir Araújo (Guiné)

Curiosidade, na minha segunda entrada – "Municípios", outra vez

Ministra diz que municípios vão poder gerir contratação e colocação de professores 

O Governo vai dar às autarquias a possibilidade de gerirem a contratação e colocação de professores, disponibilizando-se para contratualizar com os municípios interessados a transferência dessa competência, anunciou a ministra da Educação, numa entrevista à agência Lusa.

Na última semana a produção de notícias vindas da 5 de Outubro tem servido para ocultar as incompetências técnicas que o Ministério da Educação tem feito ao longo dos últimos tempos.

Esta notícia, mais uma, está a tranformar o ambiente das escolas num autêntico circo de feras onde existe tempo para tudo menos para o essencial  da função de professor que é ENSINAR.

“O diploma prevê essa possibilidade. Havendo escolas e havendo autarquias disponíveis para essa experiência, o Ministério da Educação (ME) contratualizará os termos em que essa transferência pode ser feita”, afirmou Maria de Lurdes Rodrigues, explicando que está em causa “tudo o que respeita ao recrutamento, gestão e colocação de professores”.

Mas é que é tudo mesmo!!

Não existe a possibilidade de os Municípios mandarem esta Ministra para um sítio que eu cá sei??

a ministra ressalvou que a discussão sobre a transferência de competências relacionadas com a gestão dos professores “está um pouco mais atrasada” do que a negociação relativa aos funcionários não docentes.

Mas é só um pouquinho, ela em dois ou três dias acerta o passo e põe isto a rolar. Chama os sindicatos, porque a isso é obrigada, anuncia as medidas e pronto, já está!

“Em termos de pessoal docente a discussão está um pouco mais atrasada porque nem as autarquias se sentem, em regra, com capacidade e com recursos necessários para fazer essa gestão, nem imagino que os sindicatos estejam muito disponíveis para a discussão desse assunto”, explicou.

Os sindicatos são uma chatice. Só estorvam. Por isso vai chamá-los para uma reuniãozeca com o Pedreirazeca ou o Valterzeco mostra-lhes as propostazecas ficando assim cumprida a obrigação que a Lei impõe para estas materiazecas.
 


 

Ministra da Educação