Provas de aferição vão realizar-se mesmo com greve


O Ministério da Educação confirma a realização das provas de aferição de Língua Portuguesa na sexta-feira (dia 6), dia de greve nacional.

A paralisação foi marcada pela Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública e que abrange o pessoal auxiliar das escolas.

Fonte do gabinete da ministra Isabel Alçada diz à Renascença que as escolas têm autonomia para gerir a situação, de modo a assegurar que as provas se realizem com normalidade.

Os testes destinam-se aos alunos do quarto e sexto anos do ensino básico.

Tendo em conta que toda a distribuição de serviço para o dia 6 e 11 de Maio compete aos docentes (secretariado de exames e aplicadores) que não estão abrangidos pelo pré-aviso de greve é natural que não seja preciso muita imaginação para perceber qual a autonomia que as escolas têm para gerir essa situação, apesar de existir um intervalo entre as duas partes da prova de aferição.
Anúncios

2 comentários a “Provas de aferição vão realizar-se mesmo com greve”

  1. convém lembrar que existe pelo menos uma escola (que eu conheça) onde os auxiliares estão a ser ameaçados com o objectivo de não fazerem greve e com isso a escola se manter aberta.

  2. Eu não disse que não seria preciso muita imaginação para perceber o que poderia ser feito?

    Dirigentes escolares apelam a docentes para substituirem auxiliares
    http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=1844735

    “A Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) apelou aos professores para assegurarem, sexta-feira, dia de greve da função pública, o normal funcionamento das escolas.

    «O nosso plano B passa pela possibilidade de os professores terem a chave da escola e, no dia especifico das provas de aferição, eles próprios assumirem a responsabilidade de abrir a escola, acompanhar os alunos das provas da aferição» e ainda levá-los a casa, disse Manuel Pereira. “

Os comentários estão fechados.