Bomba do Dia


O Presidente da República requereu ao Tribunal Constitucional a fiscalização preventiva da constitucionalidade das normas dos artigos 1º, 2º, 3º e 4º do Decreto nº 84/XI da Assembleia da República, que aprovou a “Suspensão do actual modelo de avaliação do desempenho de docentes e revogação do Decreto Regulamentar n.º 2/2010, de 23 de Junho”.07.04.2011

Published: 2011-04-07 12:34:59 GMT
Anúncios

8 comentários a “Bomba do Dia”

  1. Mas Arlindo…
    O TC tem 25 dias para responder. E o ciclo avaliativo vai apenas até Junho ou até Dezembro de 2011?
    De qualquer forma o que estão a fazer os SINDICATOS?
    Creio que vou deixar de ser sindicalizada… estou mesmo a ficar farta!
    Que poderemos fazer? De que forma poderemos ainda LUTAR?

  2. O Ciclo avaliativo termina em 31 de Dezembro de 2011, mas as observações de aulas quando muito irão até ao início de Junho, muitas escolas também estão a pedir o relatório de auto-avaliação até ao início de Junho, com as respectivas evidências.
    Mesmo que a decisão favorável do TC seja dada em Maio todo o trabalho deste ciclo já está praticamente feito com o avaliado.
    O adiamento da decisão para meados de Maio não vai evitar o desperdício do tempo nesta Avaliação de Desempenho.

  3. Então vamos lá pensar, agora, com mais calma!
    Em princípio, lá para meados de Maio, o TC deve decidir favoravelmente (PCP e BE já o afirmaram hoje). Até lá, creio que continua a não haver condições e não deveremos executar qualquer acção que leve ao desenvolvimento desta ADD, pois significará apenas perder tempo.
    Mesmo supondo que o TC, por loucura, não decidia favoravelmente… temos sempre finais de Maio e Junho…. e se não chegar poderemos continuar de Setembro até Dezembro de 2011, com a loucura e com a LUTA!

  4. O mocinho de recados já tem ideias:

    PSD quer “parceria” entre oferta pública e privada na educação, saúde e acção social
    Ontem

    O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, defendeu, quinta-feira, que deve haver o que apelidou de “parceria” entra a oferta pública e a oferta privada nos sectores da educação, saúde e acção social.

    Durante uma conferência na Universidade Lusófona, Passos Coelho deu como exemplo o que se passa actualmente com os alunos que optam pelo ensino superior privado, que considerou ser uma injustiça.

    “Aqueles que hoje estão no ensino público beneficiam de um custo, porque têm um pagamento beneficiado pelo Estado, que aqueles que precisam de recorrer ao ensino não público têm de enfrentar”, apontou.

    “E então o absurdo é que Estado, em nome da igualdade de oportunidades e da garantia de que o próprio Estado deve dar de uma rede pública de ensino para que todos possam aceder à formação, acaba por estar a transferir dos impostos” de todos um benefício para alguns, disse, acrescentando: “é uma perversão” e “tem de ser alterado”.

    Mais à frente na sua intervenção o presidente do PSD defendeu que deve haver “um contrato de parceria com a sociedade” e que essa “parceria” deve partir do princípio de que os serviços públicos não têm de ser desempenhados pelo Estado.

    Segundo Passos Coelho, na educação deve haver “uma rede nacional de ensino” que inclua as escolas públicas e as privadas, sendo essa oferta “vista em conjunto”.

    http://www.jn.pt/PaginaInicial/Nacional/Interior.aspx?content_id=1825453

    XXXXXXXXX

    cOLÉÉÉÉÉÉÉÉÉ gas…

    O que é isso de Parcerias é uma metáfora, eufemismo, “analfase”???

    Se uma pessoa quiser ir para a privada por opção então que a pague. Queria ir para uma pública tivesse estudado mais. Então agora temos de andar a pagar aos privados para cobrir a falta de estudo de alguns? Passos Coelho também tirou o curso numa Universidade privada, a Lusófona. Sentiu-se injustiçado foi? É como eu já disse: Tivesse estudado mais. Não venha agora prejudicar os mais trabalhadores, que tiveram melhores notas do que o senhor dando os nossos impostos a privados que muitas vezes não fornecem o ensino de qualidade para o merecerem.

Os comentários estão fechados.