"Gandas Planos"


Professores têm planos na Net para boicotar avaliação

Estratégias. Dar nota máxima a todos ou contestar em tribunal as classificações são duas das propostas

ESTRATÉGIAS Conseguir que todos os professores tenham nota máxima, que todos contestem a sua classificação em tribunal ou questionar os critérios até à exaustão são as sugestões para bloquear a avaliação. Propostas aproveitam brechas na lei. Depois de acções judiciais e moções a apelar ao boicote à avaliação, o autor do blogue Educação S. A. vem agora propor que sejam dadas as notas máximas a todos os professores, para que o processo fique bloqueado no Ministério da Educação. A ideia é entupir os serviços até que o Governo arranje soluções. Outras propostas apelam a que todos os professores contestem em tribunal a nota que lhes foi atribuída ou que se questionem todos os critérios.
Estas propostas levariam à suspensão da avaliação de desempenho dos professores, no último ano deste ciclo de avaliação. Todas estas iniciativas dependem da adesão dos professores, mas os seus proponentes garantem que travaria este processo muito contestado. Nenhuma delas é ilegal, apenas aproveitam as brechas na lei, diz o especialista em direito administrativo Guilherme da Fonseca.
Dar nota máxima a todos os professores ( ver em baixo) iria levar a uma situação em que a comissão de avaliação teria de estabelecer critérios de desempate, o que ainda não está feito em todas as escolas. Não chega para “ derrubar a paliçada e conquistar o forte”, mas é o suficiente “ para deixar o inimigo sossegado dentro da torre de menagem… sem pinga de água”, descreve o autor anónimo da proposta na sua página.
Já Ilídio Trindade, do MUP ( Movimento Mobilização e Unidade dos Professores), acredita que “ o mais simples era todos os professores recorrerem em tribunal da nota que lhes foi atribuída”.
Esta ideia colhe a simpatia de vários professores, embora reconheçam que existem obstáculos à sua concretização. “ A ideia tem piada, mas não é fazível”, reconhece o professor Ramiro Marques. Ainda assim, admite que “ se os relatores quisessem, as dez tácticas podiam bloquear a ADD [ Avaliação de Desempenho Docente]. O problema é que nem todos os relatores querem”. Também Paulo Guinote defende que esta medida não tem efeitos porque “ os relatores estão na defensiva, para não arriscar, porque depois são avaliados pela forma como avaliaram e não vão arriscar isso”.
Ricardo Silva, da APEDE ( Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino), apresenta como solução exigir esclarecimentos sobre os critérios para “ empatar o processo”. “ Colocar sempre perguntas como a diferença entre o ‘ muito bom’ e o ‘ excelente’ e dizer que não se avança até ter as dúvidas esclarecidas.”

Em primeiro lugar dar a nota máxima a todos não impede que a ADD prossiga, pois quem não pede aulas assistidas só pode ter a nota de 7,9. Assim, à partida esta ideia é absurda e inconsequente.
Constestar a classificação em tribunal pressupõe o pedido prévio das aulas observadas e não estou a ver quem não as tenha pedido que venha a reclamar por não ter obtido nota superior a BOM.
Penso que das três estratégias apontadas na notícia a que pode ser mais consequente é o questionamento massivo dos critérios que presidem à Avaliação de Desempenho. Embora a resposta seja mais que óbvia por parte de quem dirige a ADD nas escolas. “Foi pedido esclarecimento superior, mas enquanto não chega a resposta seguimos com a ADD.”

Por isso e por ausência de resposta suspendi o meu pedido de aulas observadas.

Anúncios