Relatores vs Avaliados


Artigo 14.º

(Decreto Lei 2/2010)

1 – O Relator é o membro do júri de avaliação responsável pelo acompanhamento do processo de desenvolvimento profissional do avaliado, com quem deve manter uma interacção permanente, tendo em vista potenciar a dimensão formativa da avaliação do desempenho.

2 – Compete ao relator:

d) Apresentar ao júri de avaliação uma ficha de avaliação global, que inclui uma proposta de classificação final:

De acordo com algumas informações que fui recebendo existe a insistência de determinar as quotas da ADD por Agrupamento de Escolas não considerando o universo de professores por grupos específicos. A leitura do 2/2010 a isso determina e não impede que tal aconteça:

4 — A diferenciação dos desempenhos é garantida pela fixação das percentagens de 5 e 20 para a atribuição das menções qualitativas de, respectivamente, Excelente e Muito bom, em cada agrupamento de escolas ou escola não agrupada, sem prejuízo do disposto no número seguinte.

5 — As percentagens referidas no número anterior podem ser acrescidas por despacho dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da Administração Pública e da educação, tendo por referência os resultados obtidos pelo agrupamento de escolas ou escola não agrupada na respectiva avaliação externa.

No Decreto Lei 75/2010 pode lêr-se no número 3 do artigo 46º

3 — Por despacho conjunto dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da educação e da Administração Pública são fixadas as percentagens máximas para a atribuição das classificações de Muito bom e Excelente, por escola não agrupada ou agrupamento de escolas, as quais terão por referência os resultados obtidos na avaliação externa da escola.

Caso se confirme os rumores da inexistência de quotas por grupos de docentes é caso para dizer que a ADD assenta num princípio em que o Relator sendo parte interessada na proposta de classificação final discrimina o grupo dos avaliados não relatores.

8 opiniões sobre “Relatores vs Avaliados”

  1. Esta situação também se colocava no início do complex, não é? Depois vieram as quotas por grupos específicos, que funcionavam por percentagens…

    O pior é que, como os grupos específicos tinham dimensões muito diferentes (os zecos eram largas dezenas e os “titulares não avaliadores” eram 4 ou 5, por exemplo), era muito mais acessível, para os últimos, a obtenção de uma classificação de mérito…

  2. Os coordenadores e relatores para terem Muito Bom e Excelente têm que pedir aulas assistidas. E aqueles coordenadores que fazem parte da CCAD também têm de pedir aulas assistidas?Não há cotas específicas para os elementos da CCAD?

  3. A questão colocada das vagas para o 5ª escalão complica quando o avaliador e o avaliado estão a concorrer para o mesmo escalão.
    Ápesar de ser outra questão, não deixa de ser importante perceber como alguém já referiu.

  4. Outro problema, na ADD anterior os Coordenadores, Membros da Comissão de Avaliação, Membro do Executivo, Titulares Avaliadores, quando não tinham cota de Muita Bué ou Excelentinho entravam nas cotas seguintes (um coordenadores era titular avaliador e membro da comissão, tinha três hipoteses de ter boa classficação), ou seja, essas pessoas tinham sempre cota e estava tudo bem no Reino da Dinamarca. Claro que deveriam ser apenas avaliados na categorai considerada mais elevada (na comissão, estão quatro coordenadores, só dois poderiam ter excelente ou muito bom e nenhum dos quatro poderia ser avalidaod nas cotas de coordenador). Estas pessoas não contestam verdadeiramente a avaliação porque não se lhes aplicam verdadeiramente as cotas e no final do ano não há alguém que lhes indica que foram só bons comparados com os colegas ao lado que foram Muita Bons e Excelentissimos.

    1. O ano passado houve Directores a darem Muito Bons e Exc. aos contratados, até esgotar a quota e SEM aulas assistidas. Portanto só não come da panela quem não consegue mesmo.

  5. Por favor, não chamem avaliação a isto.
    Uma colega a quem não reconheço superioridade nenhuma vai avaliar-me? até dá vontade de rir…as aulas dela são do pior…nem tem mão nos alunos e quer ter mão nos colegas? não brinquem comigo…sei o que é ter espírito crítico e dizer não quando é necessário.
    Os professores são avaliados por papéis, e ainda não entendi embora não seja burra, se é pela quantidade, se pela qualidade…é que a quantidade talvez…a relatora é possível que saiba fazer umas continhas, mas e a qualidade? e a fantochada das aulas observadas? aulas falaciosas…em que os alunos vêem o seu professor ser posto em causa, e lá se vai a autoridade do professor…o professor é um avaliador por excelência e por favor respeitem os professores. A antiga ministra chegou ao ponto de achar que os professores deveriam ser avaliados pelos pais dos alunos. Esta ministra pensa que os alunos não deveriam reprovar…tirem-me ministros destes da minha frente. Tenho vergonha de ser portuguesa e que me perdoem os Poetas Portugueses que tanto amo….

  6. Directores todos para a rua.
    são professores, e olham para os amiguinhos e não exigem nada. Chega de corrupção.
    A escola é uma mentira em que o professor está todo o dia, que cumpre horários rigorosos e que é constantemente humilhado, porque nem ´tem o direito de reprovar alunos….BASTA!

Os comentários estão fechados.