Contas de merceeiro 1

Redução das despesas de funcionamento

Alterações Curriculares (Eliminação da Área Projecto e do Estudo Acompanhado)

Exemplo prático concreto da minha escola

7 turmas do 5º ano

6 turmas do 6º ano

9 turmas do 7º ano

6 turmas do 8º ano

6 turmas do 9º ano

Impacto no número de horas de redução total (docentes): 232 horas

Redução de horas no 2º ciclo (docentes): 104

Redução de horas no 3º ciclo (docentes): 128

Total de professores do AGRUPAMENTO: aproximadamente 130

232 horas equivalem a 1o horários completos mais 12 horas

Aproximadamente 8% dos docentes não serão necessários

Impacto da medida no 2º e 3º ciclos apenas, a percentagem é maior se contar apenas com o universo dos professores do 2º e 3º ciclos.

 

Por isso aumenta a despesa com o Marketing

A criatividade tem o seu preço e é necessário fazer uma grande aposta inovadora.

João Proença e Carvalho da Silva insultados à porta do Ministério do Trabalho

No acto de entrega do pré-aviso de greve, os líderes da UGT e da CGTP foram atacados por uma senhora que se identificou apenas como ex-funcionária pública
uma senhora não identificada, a rondar os 80 anos, apareceu na Praça de Londres para insultar os dois representantes dos sindicatos da Função Pública. “As contínuas das escolas nem um quadro querem limpar, elas não querem fazer nada! E o senhor estudou para burro”, acrescentou, apontando para Carvalho da Silva. “O senhor foi para o estrangeiro estudar à custa da gente, já depois de adulto.”
Às acusações, acompanhadas de insultos graves e da repetição incessante do adjectivo ‘mentiroso’, Carvalho da Silva respondia com calma e um sorriso. “Minha senhora, a senhora é muito mal-educada e mentirosa. Porque é que aqui veio? Quem é que a mandou cá?” perguntou o dirigente da CGTP. “Eu vim aqui porque vi a sua cara na televisão, seu porco, seu bandido, seu mentiroso ordinário.” “Se era funcionária pública, é indigno da sua parte que ache que nós não representamos a função pública”, respondeu o sindicalista.
As respostas e o facto de a manifestante não se ter identificado deixaram os dirigentes desconfiados….

Contínua

Porque não concordo com o roubo directo dos vencimentos

O Governo PS prepara-se para efectuar um roubo directo aos vencimentos dos funcionários públicos que variam entre os 3,5 e os 10%.

Não me causaria qualquer revolta que 3,5% do meu vencimento pudesse ser-me retido, retirado ou pedido emprestado, mas agora ROUBADO é que não.

Tendo em conta os resultados de um inquérito pedido pelo Banco de Portugal apenas 52% dos portugueses admitem fazer qualquer poupança (dúvido de números tão generosos), a solução que considero mais adequada seria a de utilizar os cortes anunciados de forma a criar um fundo de poupança individual (ou até mesmo geracional) que poderia ser utilizado pelos trabalhadores em situação de emergência individual, numa prestação única no momento da aposentação ou numa situação de transmissão geracional.

Olhem que até estaria disponível a fazer subir os meus 3,5% para outro valor mais elevado.

Façam qualquer coisa de diferente, mas ROUBAR NÃO. depois não se admirem que vos chamem de ladrões.