Recursos Hierárquicos


Está disponível no site da DGRHE a aplicação para ser efectuado recurso hierárquico, pelo prazo de cinco dias úteis, das colocações da Bolsa BR1 e BR2.

Algumas dúvidas têm surgido nas colocações efectuadas nomeadamente na BR2 e qual é a maior dúvida?

A maior dúvida prende-se com o facto de o candidato A (com maior graduação do que o candidato B) ficar numa escola para a qual tinha manifestado preferência antes do candidato B mas o candidato B ficar com essa escola enquanto o candidato A ficou numa preferência mais elevada.

Pois, esta situação é possível pela lógica da Bolsa de Recrutamento.

A bolsa de recrutamento tem uma lógica diferente do que as anteriores ciclícas (embora estas BR se tenham tornado parecidas com as ciclícas pela forma como estão a ser lançadas).

Neste momento, quem escolhe os professores são as escolas em função da altura em que fazem o pedido do horário.

Artigo 58-A, números 2 e 3, do Decreto Lei 51/2009.

 Se uma escola pede um horário às 16:30 esse horário é verificado pela aplicação da BR e seleciona o candidato com graduação mais elevada que naquela altura esteja disponível para esse horário. (Por esta razão as BR têm na lista atribuído um número de ordem do horário). Se outra escola faz o pedido às 16:35 o candidato que tenha feito uma escolha preferêncial para esse horário já não se encontra na Bolsa e o horário é atribuído neste caso ao mais graduado da altura que tenha manifestado preferência por essa escola. É estranho que assim seja pelo facto de ser lançada uma lista que englobou horários de uma semana.

Estas regras são totalmente injustas (com a existência de uma lista semanal) e causam um grande receio no momento dos candidatos escolherem as preferências. Se os mesmos sabem que por azar destas regras podem ficar muito mal colocados passa a existir uma tendência para limitar o preenchimento das preferências numa zona mais próxima e de um tipo de horário mais elevado (preferindo em muitos casos atrasar uma colocação por duas ou três semanas do que ficar mal colocado).

Se muitos horários pedidos pelas escolas ficaram sem candidato (por não existir nenhum que tenha manifestado preferência por ele) o Ministério da Educação é o único responsável por esta situação e deve servir de lição de forma a alterar estas regras. As escolas nada ganham com este tipo de colocações, os professores limitam-se nas suas preferências, e o Ministério fica sem professores para horários onde ninguém concorre.

Neste caso de nada valerá um recurso hierárquico assente neste princípio.

Anúncios

10 comentários a “Recursos Hierárquicos”

  1. mas alguém acredita que todas as escolas pediram primeiro só todos os horários completos e anuais,

    a seguir pediram os anuais incompletos, começaram no úunico de 24 horas e combinaram pedir todas só os horários de 21 horas, depois só pediram os de 20 horas

    (…)

    e depois pediram todas os de 8 horas (gostava de saber a ordem das escolas a pedir… 😉

    No final disto tudo, todas pediram os seus horários de substituição (aquijá foi à vontade do freguês

    SÓ AQUI ALGUNS DESTES PEDIDOS JÁ LÁ ESTAVAM EM 9 DE SETEMBRO!

    http://smartforum.educare.pt/index.php?id=161662

  2. Essa foi uma das razões que sempre achei que em primeiro lugar devia ter saído uma BR2 só com anuais e nem que fosse uma hora depois ter saído a tal BR3 já com os temporários.
    Agora pergunto-te como poderás recorrer hierárquicamente se não consegues fazer prova de que um candidato mais graduado concorreu a um tipo de horário e a uma duração previsível diferente daquela em que ficou?

    1. porque a bolsa não foi contínua!

      porque o DGRHE agrupou horários, logo MANIPULOU OS RESULTADOS!

      (até congelou imensos pedidos de horário!)

      O DGRHE É QUE TEM DE DEMONSTRAR (E EM TRIBUNAL) QUE NÃO AFECTOU OS RESULTADOS!

      JÁ AGORA MOSTRAR QUAL A LEGISLAÇÃO QUE LHE LHE CONFERE ESSE DIREITO…

      mas para isso pode ser necessário que alguém reclame e que se não for atendido siga para tribunal

      1. Sempre houve injustiças, mesmo na altura das cíclicas. Não é de agora que os concursos são quase uma lotaria. Há mais de dez anos que ando nisto e muitas vezes vejo jovens acabados de sair da universidade a ultrapassarem o tempo de serviço que acumulei durante anos por causa de uma média final de curso superior àquela que eu tive, assim como outros meus colegas. Sendo assim os colegas que saem hoje ou são mais inteligentes ou o sistema também tem aqui as suas falhas.
        Estamos todos no mesmo barco colegas.

    1. Se os horários não são validados, não vem a concurso 😦 Como é possivel?! Devem haver horários “guardados na gaveta” desde a 1.ª BR.
      Será esse um dos motivos para o reduzido número de horários para o Norte?

      Colega arlindovsky, obrigada pela informação… para quem espera e desespera pela 3.ªBR e por uma colocação toda a informação é preciosa.

  3. Obrigaga colega, então na minha opinião poderá ser um motivo… a DREN está a demorar a validar os horários. Também já li aqui no seu blog que hoje os horários já se encontram validados 🙂 Pode ser uma boa noticia… Espero que saiam mts vagas para o Norte nesta 3.ªBR.

  4. Boa noite! Fui colocado na BR3, com 8 horas (anual) a 150 km de casa (LOL). Sou do grupo 620. Qual o misero ordenado que me espera?

    No e-mail dizia que tenho 48 horas para aceitar, e eu pergunto 48 horas de dias úteis? ou data/hora em que me foi endossada a colocação?

    Já agora qual será o meu tempo de serviço que ao fim deste ano cumprido? Para eu ponderar se vale a pena fazer as piscinas para trás e para a frente!

    Agradecia breve resposta,
    Obrigado 🙂

  5. Neste momento tens duas hipóteses:
    Aceitar o horário ou recusá-lo.
    Se aceitares podes denunciar o teu contrato no primeiros 15 ou 30 dias (dependendo se o teu horário foi temporário ou anual).
    Se denunciares não voltas à bolsa e só podes concorrer a OE e atenção que não podes denunciar mais nenhum horário este ano lectivo (se quiseres continuar a trabalhor no ensino em 2010/2011, obviamente).
    Tens 48 horas para aceitar nos dias úteis seguintes, ou seja até terça-feira.
    Faz as contas: um horário completo são 22 horas. Se trabalhas 8 horas lectivas divide por aproximadamente 3 e ficas a saber quanto ganhas.
    O cálculo do tempo de serviço é o seguinte:
    (365 X nº de dias X nº de horas) / 8008

Os comentários estão fechados.