ECD versão 24 Fevereiro 2010


Versão totalmente desprotegida, sr. José Baptista!

Conforme referência em post anterior deu-me curiosidade em ver a alínea b) do número 2 do artigo 37º.

b) Da atribuição da menção qualitativa mínima de Bom em pelo menos dois ciclos da avaliação do desempenho.

Está alterado para:

b) Da atribuição, no escalão em que se encontra, de duas menções qualitativas não inferiores a Bom na avaliação do desempenho;

 

Que no fundo diz a mesma coisa, mas é alterado o nº 5 do mesmo artigo para:

 

5 – Excepciona-se do disposto na alínea b) do n.º 2 o número de menções qualitativas de avaliação do desempenho obtidas no 5.º escalão, para o qual é só exigida uma menção qualitativa mínima de Bom.

 

Anúncios

11 comentários a “ECD versão 24 Fevereiro 2010”

  1. Enquanto funcionário público e a bem da Nação até aceito o congelamento do tempo para progressão, entre Agosto de 2005 e Janeiro de 2008. Não aceito o “esquecimento” por parte dos sindicatos da recuperação do tempo de serviço entre transições de carreiras. 1º Qual é a percentagem de professores que se encontram a meio da carreira? 2º Quem sai mais prejudicado com a transição entre carreiras? 3º – No acordo de princìpios quem fica minimamente salvaguardado?Professores acima do indice 245? Já agora quais os indices de vencimento da maioria dos dirigentes sindicais? São estes os representantes legitimos dos professores? Tem graça!

  2. Não esteve esquecida a recuperação do tempo de serviço para a transição entre carreiras.
    Sei bem do que falo.

  3. Podem-me explicar isto?

    5 – Excepciona-se do disposto no número anterior os docentes previstos nas alíneas b) e c) do n.º 2, cujo tempo de serviço no índice de reposicionamento é contabilizado a partir da data da sua efectivação.

    1. Parece que o tempo de serviço de quem está no índice 245 nas situações previstas nas alíneas b) e c) do nº 2 do artigo 8º só começa a contar no índice 272 e 299 com a data da entrada em vigor deste ECD.

      1. Significa que em relação aos referidos na alínea b) (os titulares com mais de 4 e menos de 5 anos) vêem a transição ao índice 299, mais afastada 2 a 3 anos, isto é, na anterior estrutura, do 245 para o 299 “penavas” 6 anos, agora do 245 para o 277 entras com 4 ou quase 5 anos e do 277 para o 299 mais 4 anos. Logo 4+4=8 na melhor das hipóteses, podendo ser quase 9 anos. Se a tudo isto juntarmos os 2 anos e 4 meses de congelamento, mesmo com o benefício de teres sido titular, levas cerca de 11 anos e 3 meses para passar do 245 ao 299.
        Em relação aos referidos na alínea c) na prática é irrelevante, porque antes demoravas 6 anos e agora também 6 anos.

  4. Ó Antonina:

    Como te podes intitular
    De burra, cega ou distraída
    Como pode uma mulher,
    Ser tudo isso num só dia.

  5. Aquela que nem vê nem quer acreditar que no Acordo de Princìpios não foi salvaguardada a situação da larga maioria dos professores!

Os comentários estão fechados.