Para que serviu a "paridade"?


Dia 3 do XVIII Governo Constitucional

Portugal cai cinco lugares no índice global que mede a desigualdade de géneros

Pode não ter sido uma consequência directa, mas num ano marcado pela crise financeira, a desigualdade entre homens e mulheres ficou mais vincada. NoGlobal Gender Gap Index2009, que o Fórum Económico Mundial apresenta hoje em Nova Iorque, Portugal caiu cinco posições face a 2008 (tendo em conta o mesmo número de países analisados) e ocupa, agora, o 46.º lugar, numa tabela de 134 países dominada pela Islândia, Finlândia e Noruega.

Há um ano, Portugal conseguia mais pontos nos indicadores que medem a participação económica e as oportunidades de carreira dadas às mulheres, e conquistava vantagens no acesso à educação básica e superior. Comparando com 2008, há uma quebra na igualdade dos salários pagos para a mesma função, no acesso a cargos de topo nas empresas ou na justiça, e às profissões técnicas em geral. Mais: esta é a primeira vez nos últimos três anos que há uma descida na pontuação obtida. O ano passado, o fosso entre géneros reduziu 70,5 por cento. Hoje, essa diferença é de 70,1 por cento.

Nem tudo são más notícias. Olhando para os resultados gerais do ranking, Portugal está acima da média em três dos quatro indicadores utilizados pelo Fórum Económico Mundial para calcular os resultados. Apenas na participação política os pontos obtidos são inferiores (este indicador mede desde o número de mulheres no Parlamento, ao número de anos que uma mulher foi chefe do executivo). Portugal consegue atingir a igualdade de géneros nas profissões técnicas, no acesso ao ensino secundário e superior e na esperança média de vida.

O Global Gender Gap Index avalia a forma como cada país distribui as oportunidades existentes, independentemente do tipo de recursos de que dispõe. É por isso que à frente de Portugal estão o Uganda (40) e o Botswana (39). Este último conseguiu subir 26 posições graças a um enorme aumento da participação das mulheres na força laboral, e a uma maior igualdade salarial.

Na linha da frente da tabela está a Islândia, que subiu quatro lugares e tirou o pódio à Noruega, agora, empurrada para terceiro. Na Islândia há igualdade no acesso a todos os níveis de educação, na esperança de vida à nascença, na conquista de um lugar em profissões mais técnicas, e uma presença equilibrada dos dois géneros na política. Já a Noruega, por exemplo, é o país que mais se destaca pela presença de mulheres no Governo. A Finlândia mantém-se como o segundo país do mundo com menos desigualdade entre géneros.

Em 2009 houve estreias nos dez melhores: África do Sul (6) e o Lesoto (10) entraram pela primeira vez nos lugares cimeiros do ranking. O país de Nelson Mandela, em particular, saiu da 22.ª posição devido ao aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho, no Parlamento e no Governo. Já as Filipinas perderam o 6.º lugar (estão agora em 9.º), mas continuam a ser o único país da Ásia a liderar nesta matéria.

Alemanha (12) e Reino Unido (15) perderam pontos, mas dos países da União Europeia, a Itália continua a ser um dos mais mal classificados: está na 72.ª posição, caindo três lugares face a 2008 devido aos maus resultados obtidos nos indicadores sobre a participação das mulheres na economia.

Os países que menos fazem pela igualdade de género são o Iémen, o Chade, o Paquistão e o Benim

Anúncios