Mudanças


resultados

Gostei do resultado.

Toda a análise que o Paulo Guinote fez vai de encontro ao que fui afirmando ontem antes do resultado final. Para mim foi importante que fosse impossibilitada uma aliança PS+BE. Tinha receio dessa união, afirmei que tal seria possível e previsível, agora não vou poder confirmar essa situação. Assim o BE saí um dos maiores vencedores desta eleição. Contínua na oposição com um papel reforçado e não fica com responsabilidade governativa nenhuma. Para isso é bom o BE.

As políticas educativas e não só, vão ter de se virar à direita com o apoio do CDS.

Como membro de uma organização sindical, valorizo o papel de extrema importância que os sindicatos irão ter daqui para a frente. Essa responsabilidade vai cair em cima de todas as organizações sindicais para uma mudança nas políticas de educação. E felizmente mesmo nessa área a conjugação de resultados irá favorecer a mudança.

Um PCP fragilizado (quer queiram ou não) que manterá a FENPROF no seu caminho de luta constante e uma FNE que propõe um modelo de avaliação e de estrutura de carreira na qual o CDS foi beber quase toda a informação.

Está estabelecido um cenário de mudança e em pouco tempo será abolida a divisão da carreira conforme a conhecemos actualmente. Voltaremos ao tempo em que se firmarão os acordos com a FNE, ficando a FENPROF com o papel de duro e do mauzão e daquele que nada assina porque senão perde a classe. A plataforma terminará e cada um seguirá o seu caminho. No meio disto tudo espero que os professores voltem a ganhar muito do que foram perdendo desde o tempo em que o Jorge Sampaio afirmou num seminário da UNICER que os professores finlandeses trabalhavam 50 horas por semana. Não foram apenas 4 anos e meio, acho mesmo que vão em 6 anos de destruição da imagem do professor.

No meio disto tudo fico com o dia 5 de Outubro livre para quem sabe, ir à praia.